post Category: Notícias post Comments (4) postApril 16, 2009

Um dos grandes problemas que tive aqui na Alemanha sem sombra de dúvida foi o meu relacionamento com a vizinhança. Nunca tive problemas em lugar algum e olha que moro fora de casa desde aproximadamente os 20 e poucos anos mas neste último apartamento, algo incrível está acontecendo. A história é longa mas vale a pena ser lida pois tem partes que parecem piada.

Me mudei para cá em janeiro neste ano. Um belo apartamento de dois quartos que adoro desde a primeira vez que vi a foto online. Na primeira noite, dia 11 de janeiro, coloquei as malas no chão e a primeira coisa que fui fazer foi ligar a TV pois não assistia fazia muito tempo. 5 minutos depois da TV ligada, escuto murros e a minha parede treme. Isto era uma 6a feira 11 da noite. Fiquei supreso primeiro pela parede tremer de tal maneira (parecia um terremoto) e depois pelo fato de presumir que tenha sido pro causa do volume da TV. Vale dizer que não é um home theater e sim uma TV velha de 14 polegadas. O volume estava no 6 de 20. De qualquer maneira, baixei o volume e fiquei na minha.

Duas semanas depois, em um domingo, por volta de 13:00, fui fazer uma ligação Skype do meu laptop da sala, pois ali fica o meu router. 10 minutos falando, novamente a minha parede é esmurrada. Fico fulo da vida mas ignoro. 10 minutos depois, toca a minha campanhia. Já sei que é o vizinho então desligo a ligação e vou abrir a porta. Qual não foi a minha surpresa em ver que era um jovem de 20 e poucos anos? Bem, como um bom alemão, o cara era quase duas vezes o meu tamanho. Estava com uma cara de sono como se tivesse acordado agora mas bravo, bem bravo. Coloquei a minha cara de bravo e assim foi o diálogo (imagine sempre em um tom grosseiro):

Vizinho – Guten Morgen
Eu: Good Afternoon
Vizinho: (agora falando em inglês): Você sabe que horas são?
Eu: Sei sim, são 13:20, por que?
Vizinho: Você está falando muito alto
Eu: Estou apenas falando no Skype, não estou fazendo nada demais e são 13:20 da tarde, acredito que posso falar.
Vizinho: A minha cama fica colada na parede, venha ver. (e aponta para o apartamento dele).
Eu: Azar o seu, a culpa não é minha. Estou falando normalmente na minha sala.
Vizinho:  Por que você não fala no outro quarto?
Eu: Porque o meu roteador fica neste e o sinal fica muito fraco no outro quarto e de qualquer maneira, o  meu aluguel é para 2 quartos, não para 1 apenas.
Vizinho: Mantenha baixo
Eu: tchau

Isso me fez o sangue subir a cabeça. Oras, estava apenas falando no meu Skype. Não estava dando uma festa nem escutando música. Ainda fiquei mais preocupado pois na 3a seguinte já tinha agendado uma reunião de despedida para dois colegas americanos que estavam voltando para casa. Por educação deixei uma carta na caixa postal dele informando que  teria uma reunião na 3a a partir das 19:00 com 7 pessoas, para ele estar preparado. Não deu outra, às 11 da noite, ele veio pedir para fazer menos barulho. Quem abriu a porta foi uma amiga que fala alemão melhor e para evitar que eu chegasse à vias de fato.

Depois deste caso, comecei a ficar com antenas ligadas. Eu reparei que ele escutava Heavy Metal às 1:00 AM, fazia sexo 3 vezes por semana por volta das 11:40PM e por aí vai. Nunca reclamei até porque nunca me incomodou já que fico no outro quarto, na frente do meu computador. Eu sigo a simples lógica que a parede ser fina não é culpa dele nem minha.

Bem, o pior é agora. Dia 20 de março minha mãe veio aqui para me visitar e ficar um tempo em Berlim. Já prevendo possíveis problemas, ofereci o meu quarto e me preparei para dormir na sala. Minha mãe chegou por volta das 9 e pouca e fui mostrando o apartamento , quando cheguei na sala, não sei por que, demos uma risada. Logo em seguida, pudemos escutar uma risada imitando a nossa vindo do outro lado. Minha mãe perguntou o que era isso e comecei a contar os problemas anteriores. Contei em inglês pois sabia que ele iria escutar mas contei no meu tom de voz normal. 10 minutos depois, murro na parede. Desta vez não me contive e esmurrei a parede também. Não deu outra, ele bateu na minha porta. Nossa, fico nervoso só de relembrar o fato. Eu abro a porta já vermelho e o cara veio gritando, literalmente gritando:

Vizinho: VOCÊ ESTÁ FALANDO DE MIM!
Eu: E DAÍ? NA MINHA CASA EU FALO DE QUEM QUISER!
Vizinho: VC ESTÁ FAZENDO MUITO BARULHO!
Eu: AHH NÃO FERRA! QUANDO VC ESTÁ ESCUTANDO A DROGA DA SUA MÚSICA HEAVY METAL E F(*) SUA NAMORADA, NUNCA RECLAMEI, NÃO ME VENHA COM ESSA.
ele começou a ficar nervoso e falou em alemão “Nem alemão vc consegue falar” e eu repondi em alemão :”falo sim” e ameacei chamar a polícia, isso já com a minha mãe e o marido dela me segurando pois já estava preparado para no mínimo arrebentar a mão dele com a minha cara mas bati a porta.
Cinco minutos de escuto uma batidinha de leve na porta e a minha mãe vai abrir para evitar que eu pule no pescoço do cara. Era a namorada do mesmo pedindo desculpas por tudo e principalmente pelo barulho que faz. Não chamei a polícia mas escrevi para a proprietária explicando a situação toda pois pago o aluguel até antes do vencimento e acho que alugo 2 quartos, não 1.

Como nunca mais fiz nada na sala de visitas, não tenho problemas. Mas qual foi a minha surpresa ontem, aqui no quarto, o vizinho debaixo reclamou? Desde meados de janeiro quando o meu iMac chegou, sempre assisto as minhas séries e filmes aqui. Nunca muito alto, confesso que algumas vezes o som dá uma chacoalha o piso por causa do subwoofer mas se você levar em conta que andando o chão treme, não é muito diferente. Ontem, às 10:00 estava assisindo Xena, um seriado com som simples estéreo e teve uma explosão e o subwoofer tremeu o chão um pouco. 3 minutos depois, sinto no piso as batidas do vizinho debaixo. eram 10:03PM cravados. Tenho aqui um aplicativo para medir decibéis e vi que no sobwoofer, repito, com o medidor NA FRENTE do subwoofer, estava 80db, provavelmente no apto debaixo era algo em torno de 60db. O nível de ruído normal do meu apartamento é de 46Db, só para se ter uma idéia.

Me deu um nervoso tão grande isso que comecei a pesquisar na internet e achei um site da comunidade estrangeira na Alemanhachamado ToyGermany. Lá, vasculhei os foruns e achei várias, mas muitas reclamações de estrangeiros iguais as minhas. Assim, pelo menos, vejo que eu não sou o diferente. Para piorar, não existe uma lei clara como a que existe no Rio, ou seja, não existe um limite oficial de ruído definido pela lei orgânica de Berlim.

A conclusão que eu chego é bem simples; em um prédio sem porteiro ou síndico é cada um por si e que se dane a coletividade. Se me incomoda, não irei tentar te “entender”. Afinal, para que iria tentar te entender? Não sou nada seu!

Isso me lembrou dois casos ao longo da minha vida. Minha mãe sempre gostou de morar no 1o andar e eu fui da geração playground. Quase toda a minha infância eu passava jogando bola e brincando de pique no playground do meu prédio, embaixo da janela da minha mãe. Imaginem se a minha mãe e meu pai, ambos trabalhando a semana inteira e meu pai literalmente acordando ao toque da alvorada para ir ao quartel reclamassem que no fim-de-semana não podem dormir porque um monte de crianças ficam fazendo barulho debaixo da janela deles? Outra foi o meu último apartamento. Adorava a sua planta com um corredor bem extenso mas por causa da área central, qualquer sussuro perto da cozinha dava para ser ouvido até a cobertura. Com isso, se escutava o assovio do elevador subindo e o meu vizinho debaixo todo dia cantarolando na hora do café. Jamais reclamei, assim como ele também jamais reclamou quando eu esporadicamente botava o meu home theater à prova vendo Jurassic Park e colocando um copo na mesa para ver se a água se mexia. Acho que se eu fizer isso aqui, a minha prisão vira manchete no Globo no dia seguinte.

Horaayy..there are 4 comment(s) for me so far ;)

#1

Pessoa, leio seu blog há algum tempo e sempre fui uma visita silenciosa, mas dessa vez tenho que comentar. Que história maluca! Que vizinho doido! Ri muito!!
Adorei ele indo até sua casa reclamar que você estava falando dele =D

Érica wrote on April 20, 2009 - 4:23 pm
#2

Pois é. Você acredita nisso? Bateu na minha porta para se queixar. Mas depois que rodei a baiana ele meio que ficou pianinho. Agora até me cumprimenta quando esbarra comigo na escada. O jeito aqui na Alemanha é ser tão duro quanto eles são com você. Se eles forem secos, também seja. Acho que só assim que eles respeitam.

Obrigado pelas visitas!
Erick Pessôa

Erick Pessoa wrote on May 1, 2009 - 6:16 pm
#3

Vivam os Alemães! Ainda bem que existe vida civilizada em algum lugar da terra! Porque aqui no brasil o povinho não vive sem barulho. Prova disso é esse texto escrito por um brasileiro que foi fazer baderna na Alemanha.

Espanhol wrote on October 6, 2009 - 1:20 am
#4

Adorei o título do seu post 🙂

Pois é o alemao tem um problema sério com barulho – eles sao sensíveis demais!! Eu conheco histórias parecidas com a tua (acho que vc deve morar em “Altbau” que tem as paredes super finas e daí piora a situacao), já estive em festa onde a polícia chegou, já vi adolescente em um festa que comecou a colocar os dedos nos ouvidos (a música devia estar muita alta para ele), enfim sao muitas histórias.

Tem outra coisa que sempre digo… o alemao – ou pelo menos em Berlim – é muito tolerante para algumas coisas (ex. estar nu em parques, se é gay/lésbica, etc.), mas falta a tolerancia com o próximo, com esta convivencia com o vizinho e muitas vezes acho que até dentro de casa mesmo.

Isa (Pousada em Morro de São Paulo)

Isa wrote on October 12, 2009 - 11:30 am
You can leave a response, or trackback from your own site.

Write Your Comment

Comment Guidelines: Basic XHTML is allowed (a href, strong, em, code). All line breaks and paragraphs will be generated automatically.

You should have a name, right? 
Your email address, I promised I won't tell it to anyone. 
If you have a web site or blog, you can type the URL right here. 
This is where you type your comments. 
Remember my information for the next time I visit.